Presidente   |   Diretoria   |   História   |   Estrutura organizacional   |   Câmaras
Atendimento das 08:00hs às 17:00hs
(65) 3023-3662   |   imprensa@ucmmat.org   |   administrativo@ucmmat.org

Movimento municipalista alerta para inviabilidade das eleições neste ano

18155 CopiaO Conselho Político da Confederação Nacional de Municípios (CNM) se reuniu nesta sexta-feira, 12 de junho, para debater como devem ser conduzidas as ações para o adiamento das eleições municipais, ainda agendadas para este ano. O Congresso Nacional deve começar a decidir, até o final de junho, sobre o adiamento ou não do pleito eleitoral. O movimento municipalista, baseado em dados científicos, defende a prorrogação diante do cenário de pandemia do coronavírus que atinge o Brasil. A reunião contou com a participação do presidente da AMM, Neurilan Fraga, que integra o Conselho Político.

O presidente da CNM, Glademir Aroldi, convocou a reunião para debater, junto aos representantes das entidades estaduais e membros do Conselho, as ações que o movimento deve tomar para garantir que a população não tenha que ir às urnas neste momento tão crítico para o País. “Não dá para acreditar que alguém diga que não tem como realizar em outubro, mas daria para realizar em novembro ou dezembro. No site do Senado, tem uma notícia que haverá um encontro dos líderes da Câmara e do Senado para debater esse assunto e precisamos focar nosso trabalho junto a esses líderes para que eles entendam e ouçam nossos posicionamentos”, defendeu.

A CNM está trabalhando em um documento com dados científicos que comprovam que, em novembro e dezembro, o País ainda não estará em situação confortável para realizar eleições. A expectativa do momento é que, nos próximos dias, seja instalada a comissão mista no Congresso Nacional para tratar do assunto.

Alinhado com os demais dirigentes das entidades estaduais, o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, alertou para o avanço da doença no Estado. “Realizar eleições esse ano vai cair nas costas dos prefeitos, que não poderão realizar reuniões e campanhas como estão acostumados. É humanamente impossível realizar eleições este ano”, disse o presidente da AMM.

O presidente de honra da CNM, Paulo Ziulkoski, sugeriu aos membros do Conselho: “precisamos nos basear em dados científicos para defender o adiamento das eleições. Infelizmente, o cenário é ruim e a tendência é piorar”, justificou. Ele defendeu ainda que o movimento deve trabalhar para estar dentro dos debates no Congresso Nacional.

A equipe técnica e jurídica da CNM apresentou argumentos e números que devem estar dentro do estudo a ser entregue pela entidade para justificar a importância do adiamento das eleições. Além de dados sanitários, a equipe preparou um panorama econômico e jurídico aos líderes estaduais. “O próprio processo de promover as eleições pode ser responsável por uma segunda onda de contaminação no país”, alertou o supervisor do Núcleo de Desenvolvimento Social da CNM, Denilson Magalhães.

Entidades estaduais
O presidente da Associação Mineira de Municípios, Julvan Lacerda, reforçou a importância de os prefeitos estarem dentro dos debates no Congresso. “O movimento municipalista tem que ser ouvido no momento dessa decisão. Não podemos deixar uma decisão tão importante ser tomada nos palácios em Brasília. É a vida da nossa população, dos prefeitos e das administrações municipais”, ponderou. o representante da União dos Municípios da Bahia, Beto Madureira apresentou o cenário baiano e alertou para o rápido avanço em Municípios do interior do Estado.

O presidente da Associação Municipalista de Pernambuco, José Patriota, alertou que “a população brasileira não quer saber de eleição neste momento. Precisamos ver uma forma de publicação dessas pesquisas que mostram isso e juntar as opiniões científicas com os interesses do povo”. O presidente da Associação de Municípios do Paraná, Darlan Scalco, lembrou que os deputados e senadores decidem, mas os prefeitos precisam ser ouvidos. “Ainda tem a questão financeira, com a queda de arrecadação os prefeitos enfrentam um sério problema no encerramento dos seus mandatos”, lembrou. O presidente da Federação Catarinense de Municípios, Orildo Savargnini, falou do trabalho da entidade junto aos líderes. “Terminamos o debate com os prefeitos das microrregionais e estão todos alinhados para falar sobre essa questão das eleições”, contou.

Complementando, o novo presidente da Federação Goiana de Municípios, José Cunha, falou que a entidade está trabalhando junto aos parlamentares e com o apoio das informações da CNM vai ficar ainda mais fácil de orientar os deputados e senadores. Francisco Nilson, que preside a Associação dos Municípios do Estado do Ceará, defendeu que os prefeitos precisam apresentar e difundir as informações da CNM. “Não concordamos com esse processo eleitoral do jeito que está pelas questões sanitárias. Não podemos assumir esse risco”, defendeu.

Fonte:portaldapolitica.com.br

Image
 Rua Joaquim Murtinho, Nº 1713 - Centro Sul | Cuiabá - MT, CEP: 78020-290
Fone: (65) 3023-3662 | E-mail: administrativo@ucmmat.org | imprensa@ucmmat.org 
Expediente: das 08:00hs as 17:00hs
Image
© 2020 - Todos os direitos reservados a UCMMAT