Imprimir esta página

CST dos Agentes de Saúde discute levantamento realizado por pesquisadora da UFMT

242343Em reunião realizada na manhã de hoje (10), a Câmara Setorial Temática (CST) que discute a qualificação técnica e estudos de legislação dos agentes comunitários de saúde (ACS) e agentes de combate a endemias (ACE) de Mato Grosso recebeu a pesquisadora Alba Medeiros para apresentar um estudo sobre a rotina de trabalho desses profissionais. “O estudo apresentado faz parte de uma tese de doutorado e traz dados técnicos que vão contribuir com o desenvolvimento das propostas que estão em discussão, visando melhorias para a categoria”, destacou o relator  da CST, Carlos Eduardo Santos.

“Uma das principais questões que o estudo mostra é a defasagem da política pública que norteia a atuação dos agentes. Ela não condiz com a realidade que eles encontram durante a jornada de trabalho, conforme apontado", afirmou Alba Medeiros. Segundo ela, a falta de segurança é uma das principais preocupações dos profissionais.

“A lei diz que eles precisam fazer as visitas sozinhos, mas muitos deles, principalmente as mulheres, são vítimas de assédio sexual e até outras formas de violência. É um medo constante que todos vivenciam e que precisa ser solucionado”, destacou a pesquisadora.

A pesquisa, realizada no município de Cuiabá, traz ainda outras demandas da categoria, entre elas a falta de valorização de carreira, a necessidade da elaboração de leis mais condizentes com a realidade do trabalho e o perfil dos profissionais. “É importante destacar que o estudo é qualitativo e representa uma realidade específica do município de Cuiabá. No entanto, ela traz um parâmetro de muitas situações que são comuns para os profissionais de todo o estado”, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Agentes de Combate a Endemias de Mato Grosso (Sintrace-MT), Wilson Cutas, destacou que, apesar dos agentes serem vinculados ao Poder Executivo municipal, discutir a situação da categoria na CST (esfera estadual) ajuda a contribuir com melhorias significativas para o desenvolvimento da atividade, que zela pelo bem-estar da população. “Ela [CST] é um espaço onde os profissionais têm voz para falar sobre a realidade de trabalho e para participar da elaboração de propostas que tragam conquistas de direitos e também de valorização”, defendeu.

O encontro encerrou a agenda de atividades da CST para 2019 e os trabalhos devem retornar já no mês de janeiro. O cronograma ainda será definido pelos membros.

CST dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate a Endemias - Instalada no mês de agosto, tem a finalidade de discutir e propor melhorias na legislação da carreira, além de proporcionar qualificação técnica para os profissionais de todo o estado. Ela tem prazo de 180 dias para concluir os trabalhos, podendo ser renovada por mais 180 dias. Além das reuniões de trabalho, também estão previstas visitas técnicas a diversos municípios.

A câmara temática é presidida pelo deputado Max Russi (PSB) e tem como membros representantes do Ministério Público do Trabalho, Ministério Público de Contas, Defensoria do Estado, sindicato da categoria, União das Câmaras Municipais de Mato Grosso (Ucmmat) e Escola do Legislativo.

Por ALMT