Jungmann pedirá que DH ouça testemunhas do assassinato da vereadora Marielle

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta terça, durante o encontro “E agora, Brasil?, realizado pelo GLOBO, com patrocínio da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e apoio do Banco Modal, que vai conversar com o chefe da Polícia Civil do Rio, Rivaldo Barbosa, sobre a possibilidade de duas testemunhas da morte da vereadora Marielle Franco e do seu motorista, Anderson Gomes, localizadas pelo GLOBO, serem ouvidas pela Delegacia de Homicídios.

Conforme o jornal revelou no último domingo, duas pessoas viram a ação dos assassinos, a cerca de 15 metros de distância, mas, como não tinham sido identificadas pelos investigadores, não prestaram depoimentos à polícia. Elas afirmaram que, logo após o crime, foram aconselhadas por policiais militares a se afastarem do local e a irem para suas casas. O ministro afirmou ainda que eventuais falhas da investigação serão reconhecidas:

— Vou procurar junto ao próprio Rivaldo Barbosa. É uma pessoa que tem competência reconhecida pela sociedade do Rio, inclusive por ter desvendado outros crimes. Se ocorreu uma falha ali, tem que reconhecer e chamar as pessoas para prestar depoimento a esse respeito. É claro que isso é transparente, e o que deve ser feito tem que ser feito — declarou Jungmann.

Fonte: Globo 

© Todos os direitos reservados a UCMMAT